República das Bananas ou Arquipélago da Madeira?

em
Ainda a propósito das comemorações de um dia tão importante para Portugal como é o 25 de Abril, não posso deixar de me insurgir contra o senhor que “manda” na Madeira. Mas quem raio é que o anormal pensa que é? Ele é ou não é português como todos nós? Não consigo compreender como é que aquela aberração continua a “governar” aquele arquipélago, estando sempre a maltratar tudo o que é referente ao Continente, aos políticos (isso eu até nem me importo) e até aos costumes e comemorações que o nosso povo faz. “Se tivesse de comemorar seria a 26, depois desta porcaria.”? Mas ninguém o exila para a ilha dos “Perdidos”? Podia ser que os “Outros” o apanhassem e assim víamo-nos livres deste cancro em forma de presidente do governo autónomo da Madeira. Quer ser autónomo? Ok, deixem de mandar para lá o dinheiro dos nossos impostos, eles que sobrevivam por eles próprios. Ah! E que comecem a pagar tanto de combustíveis e de consumíveis como todos os outros portugueses, e também que seja contribuintes como nós, paguem o mesmo que nós e depois venham cá dizer que querem desligar-se do continente! Balelas daquela salmonela ranhosa! Gostam da fotografia desse senhor? Palhaço! Consumidor de bebidas alcoólicas acima da taxa legalmente permitida... ASSHOLE! Perdoem-me todos os madeirenses que estejam a ler isto, mas não se compreende como é que aquela coisa está à frente da Madeira à 32 anos! Ainda eu não tinha visto a luz do sol! É vergonhoso!

5 comentários:

"A Sogra" disse...
quarta-feira, abril 26, 2006 2:14:00 da tarde

Madeirense que sou e anti-Alberto convicta tenho de comentar este post.
Por muito que me custe dizer isto, se não fosse o palhaço a Madeira não estaria desenvolvida como está. Ele soube ir buscar dinheiro a todos os lados, para o bolso dele mas também para a Madeira. Por tudo o que ele tem feito, as pessoas idosas e principalmente as pessoas do campo, nunca votam PSD mas sim Alberto João Jardim. E pior ainda, não há ninguém na política madeirense actual com capacidade para o substituir, nem no PSD nem nos outros partidos... Mais grave que isto, é não haver oposição na Madeira :( a oposição que existe não faz nada, não sabe argumentar contra, nem levar as suas ideias e convicções a cabo...
Por tudo isto é que ele ainda lá está...e se queres que diga, por muito que não goste do homem, não sei se não será melhor ele por lá continuar... :( tenho medo que sem uma pessoa com pulso e garra como ele tem, a Madeira morra...

Blossom disse...
quarta-feira, abril 26, 2006 3:21:00 da tarde

É provável que mais ninguém consiga desenvolver a Madeira como o senhor fez...mas há que ver que foram outros tempos, agora é tudo bem mais difícil. Mas estou certa que há-de haver uma alminha que esteja à altura de lhe dar um valente pontapé no cu e o mandar plantar bananeiras para outra freguesia. Acho também que as pessoas que votam nele acabam por ter medo da mudança, e antes o que têm do que algo novo. Concordo em absoluto quando dizes que não existe ninguém com tomates para lhe fazer frente, com tomates e QI suficiente. É precisamente aí que reside o problema: não existe oposição, porque são todos uns cagões... Homens madeirenses (homens em espécie e não em género) tenham coragem e enfrentem a besta!

Tia Cremilde disse...
quarta-feira, abril 26, 2006 7:33:00 da tarde

à semelhança da minha querida Sogra, como madeirense assumidamente orgulhosa que sou, tenho obrigação de comentar este post.
Em primeiro lugar: estás perdoada, poque tens razão na maior parte daquilo que dizes. A minha opinião em relação ao Dr. Alberto João é a mesma da Sogra, não me vou repetir.
Em relação aos impostos e aos contribuintes - posso falar à vontade pq estou em lisboa há vários anos e desconto no continente - a história não é bem assim. A percentagem de dinheiro que vai do governo central para as regiões autónomas, há muito que tem vindo a diminuir. A RAM tem receitas próprias, vive muito bem do turismo e tem uma zona franca, por isso é normal que não tenha tanta necessidade de implementar as medidas de "aperto do cinto" como no continente (note-se que estas diferenças só se manifestaram neste último ano). Nos açores a história é a mesma, curioso é que só se fala dos madeirenses!
Depois há uma outra parte, que só pode falar quem lá vive ou viveu. As oportunidades não são as mesmas, por ser ilha, é lógico que o nível de vida ressente-se pelo isolamento. Não se pense que o custo de vida no Funchal é mais baixo do que em Lisboa. Isto não justifica o labrego que temos na presidência do governo regional, mas pode ajudar a compreender. Não morro de amores por ele, pelo contrário, mas gosto quando ele verbaliza aquilo que os senhores politicamente correctos pensam e não têm tomates para dizer (como o caso dos chineses!).
Qt à continuação desse senhor no lugar onde está, parece que a lógica do madeirense é: "em equipa que ganha não se mexe".

(suspiro)....saudades do meu ilhéu!

GM disse...
quarta-feira, abril 26, 2006 8:55:00 da tarde

Que não-surpresa ao abrir esta caixa de comentários... eu a pensar.. Sogra e Tia Cremilde não vão passar esta história sobre o seu ilhéu passar em branco... e não deixaram msm ;-)

GM disse...
quarta-feira, abril 26, 2006 8:56:00 da tarde

...queria dizer deixar passar....

eXTReMe Tracker